PRÉ-HISTÓRIA

 

 

 

Costuma-se dividir a Pré-História em dois períodos: o PALEOLÍTICO, o mais antigo e de maior duração, também conhecido como da Pedra Lascada, e o NEOLÍTICO, ou da Pedra Polida.

 

PALEOLÍTICO

 

         Inicia-se com o aparecimento do homem e termina com a Revolução Agrícola ou o surgimento da agricultura

         Os alimentos eram obtidos com a caça, a pesca e a coleta de raízes e frutos. Os homens eram nômades, pois estavam sempre à procura de regiões mais ricas em animais e peixes. Viviam em cavernas e, inicialmente, para se defender, utilizavam o que a natureza lhes oferecia: pedras e pedaços de madeira. Aos poucos, aprenderam a confeccionar artefatos de pedra lascada, como o furador e o raspador.

         O domínio do fogo foi uma importante conquista do homem nesse período. O fogo fornecia calor, protegia contra os animais e era usado para o endurecimento dos utensílios de barro; posteriormente, passou a ser utilizado para a preparação de alimentos. No principio, o homem conservava o fogo que encontrava naturalmente, mas logo aprendeu a produzi-lo.

         Os homens do Paleolítico associavam-se em hordas pouco numerosas. Não havia a propriedade privada. Os bens pertenciam a todos, e os trabalhos eram realizados de forma coletiva. Somente os instrumentos de trabalho, as vestimentas e os adornos era propriedade individual.

         No final do período paleolítico, houve grande progresso. Os instrumentos de pedra passaram a ser aprimorados. Surgiram também as primeiras manifestações artísticas da humanidade: a arte rupestre. Nas paredes das cavernas, o homem desenhava animais, com sentido mágico, para favorecer a caça. Acreditava que, pintando os animais, eles apareciam durante a caçada. A essa prática dá-se o nome de magia simpática.

         Pelos vestígios da época, acredita-se que, nessa fase, começaram a surgir as primeiras manifestações religiosas. É provável que o homem do Paleolítico acreditasse em uma vida após a morte, pois junto a alguns túmulos foram encontrados objetos pertencentes aos mortos.

 

NEOLÍTICO

 

         Foi o período compreendido entre o aparecimento da agricultura e a invenção da escrita. A passagem do Paleolítico e o Neolítico é marcado pela Revolução Agrícola. O homem, começando a praticar a agricultura, deixa de ser coletor para se tornar produtor de alimentos. O cultivo da terra gerou várias transformações. O homem adquiriu condições de sedentarização, isto é, pode fixar-se em uma região, pois produzir alimentos lhe garantia uma forma mais segura de sobrevivência. Além disso, também podia estocá-los. Essa nova situação trouxe como resultado a melhora do padrão de vida, a diminuição da mortalidade, maior longevidade e, naturalmente, tornou possível um rápido aumento da população.

         O homem procurou morar próximo aos lugares mais férteis para plantar. Passou a construir habitações nas margens dos rios e lagos, denominadas palafitas.

         Gradativamente, iniciou a atividade do pastoreio. Também passou a se dedicar a outras atividades, como tecelagem, a cestaria e a cerâmica.

 

 

IDADE DOS METAIS

 

A origem da propriedade privada e do Estado

 

         Por volta do sexto milênio a.C., iniciou-se a utilização dos metais. Primeiro foi usado o cobre, depois o estanho. Em seguida, foram desenvolvidas as técnicas de fundição, que permitiram a obtenção de metais mais resistentes. Da liga de cobre e estanho o homem obteve o bronze e fundiu o ferro.

         Começou a existir uma divisão do trabalho. Enquanto os homens praticavam a caça e a pesca, às mulheres ficava reservado o papel de plantar e colher alimentos. Além disso, enquanto alguns cuidavam da terra, outros se dedicavam ao artesanato, produzindo utensílios.

         A produção começou a ser maior do que o consumo. Entretanto, o excedente, que deveria pertencer a todos, começou a ser apropriado por alguns, o que provocou o aparecimento da propriedade privada. A terra, o gado e os instrumentos de trabalho também passaram a ser propriedade de poucos. Com isso surgiu a desigualdade social.

         Para garantir a propriedade, os donos das terras e dos instrumentos de trabalho passaram a fazer leis e criaram o Estado, para garantir que fossem respeitadas. Nasceu o poder político propriamente dito. Algumas pessoas começaram a ser encarregadas da administração e outras, das tarefas militares.

         O culto aos mortos e às forças da natureza favoreceu o aparecimento dos sacerdotes.

         Quando o homem criou a escrita, foi possível, então, uma reconstrução sistemática da história.

 

UMA DIVISÃO DA HISTÓRIA

 

         A História é um processo contínuo, mas, para facilitar seu estudo, foi feita uma divisão em quatro etapas ou idades: Antiga, Média, Moderna e Contemporânea.

         Essa divisão foi elaborada por historiadores europeus que se basearam em acontecimentos particulares de seu continente.

         De acordo com essa divisão:

·        A Idade Antiga estende-se da invenção da escrita, por volta de 4000 a.C., até a queda do Império Romano do Ocidente, em 476 d.C;

·        A Idade Média estende-se a queda do Império Romano do Ocidente, em 476 d.C., até 1453, com a queda de Constantinopla, capital do Império Bizantino (Império Romano do Oriente);

·        A Idade Moderna é o período que vai de 1453 até 1789, com o início da Revolução Francesa;

·        A Idade Contemporânea parte de 1789 (início da Revolução Francesa) até os dias atuais.

 

Fonte: ORDOÑEZ, Marlene. História: Antiguidade e Período Medieval. 1ª ed. São Paulo: IBEP, 1999.

 

Índice