OS ÍNDIOS

 

 

 

 

FORAM OS PRIMEIROS HABITANTES NUMEROSOS E LIVRES.

ATUALMENTE: SOBREVIVENTES!

 

                                                     

                                              Foto: CRIANÇAS GUARANIS DO RS apresentaram-se na Assembléia

                                                        Continental Guarani que aconteceu em São Gabriel - RS no dia

                                               05/02/2006 - em uma das atividades em memória dos 250 anos

                                              do martírio de Sepé Tiaraju e do povo guarani das Missões

                                                                      Jesuíticas

 

 

 

 

OS ÍNDIOS GUARANIS

 

A nação guarani ocupava desde o litoral até a fronteira oeste e parte da fronteira norte do Estado do RS. Formava a maior população indígena do nosso Estado.

O povo guarani praticava agricultura. De acordo com os costumes indígenas, os homens preparavam o solo e as mulheres plantavam e colhiam.

Cultivavam principalmente:       

MILHO                    -         ABÓBORA             -      MANDIOCA      -       BATATA-DOCE                

                                                                                                                                  .

 

 

 

 

 

 

     FEIJÃO    -    AMENDOIM       -          ALGODÃO

 

Os guaranis também praticavam a caça. Caçavam em grupo e o que obtinham era dividido entre todos os membros do grupo. Do solo, além dos produtos agrícolas, recolhiam a argila, com a qual produziam artefatos de cerâmica. Da floresta, colhiam frutos silvestres e a erva-mate. O chimarrão era a bebida preparada com essa erva e consumida por uma grande parte da população gaúcha, é uma das heranças deixadas pelos guaranis. Também herdamos dos guaranis muitas palavras originadas da língua tupi e faladas por esse povo, que foram incorporadas ao nosso vocabulário. Alguns exemplos: araçá, biboca, caboclo, peteca, tatu, boçoroca, capim, taquara, piá e outros.

Fumavam cachimbo nos rituais religiosos. Enterravam os mortos em urnas funerárias feitas de cerâmica. Os homens enfeitavam-se mais que as mulheres: tatuavam e pintavam o corpo, usavam colares, pulseiras feitas de sementes e plumas. Suas armas eram o arco e a flecha, o tacape, a lança e a boleadeira.

Os guaranis foram lentamente desaparecendo com os ataques dos bandeirantes que buscavam escravos, as guerras guaraníticas e a mestiçagem forçada. Atualmente existe um grupo muito pequeno de guaranis no toldo da Guarita. Toldos ou reservas indígenas são locais destinados a brigar e proteger os índios. Lá eles têm suas casas e escola. Praticam a agricultura. 

 

 

 

OS ÍNDIOS PAMPIANOS

 

 

          Os índios conhecidos genericamente por essa denominação habitavam originalmente a região da Campanha.

            Eram indivíduos nômades, ou seja, que não se fixavam por muito tempo em um lugar, pois se deslocavam constantemente em busca de alimentos. Eram hábeis cavaleiros e viviam da caça, usando boleadeiras, arcos, flechas e lanças. coletavam raízes e frutos, mas não cultivavam a terra como os demais.

            A boleadeira é um instrumento ainda hoje utilizado pelos gaúchos nos campos para capturar aves, como a ema, também conhecida pelo nome de nhandu, de origem tupi, ou caçar animais, como  cavalos.

           Outra tradição gaúcha herdada dos pampianos é o churrasco. esses índios tinham o hábito de assar a carne em um espeto rústico de madeira numa fogueira feita com feixes de lenha. Atualmente, em algumas estâncias do Rio Grande do Sul, ainda é possível presenciar o preparo do churrasco dessa forma tradicional.

           Os pampianos foram dizimados pelos violentos ataques dos espanhóis, que queriam se apossar de suas terras. Com essa finalidade promoveram um guerra chamada Guerra dos Charruas.

            Atualmente, vivem no estado do Rio Grande do Sul cerca de 15.700 índios, segundo dados recentes da Fundação Nacional do Índio (FUNAI). Esse órgão do governo é responsável pela política indigenista no Brasil. Isso significa que cabe a FUNAI demarcar, assegurar e proteger as terras tradicionalmente ocupadas por eles, estimular o desenvolvimento de estudos e levantamentos sobre os grupos indígenas, bem como proporcionar educação básica aos índios.

             A maioria dos índios presentes em nosso território são do grupo Caingangue. Os demais são guaranis.

          Esse grupo indígena sobreviventes vivem em áreas especiais, denominadas oficialmente "terras indígenas". Segundo a FUNAI, existem 27 dessas áreas em todo o estado, porém apenas treze devidamente marcadas.   

 

 

 

 

JÊS OU TAPUIAS

 

 

 

 

FONTES: RS: espaço e tempo, autora: Siziane Koch. /Conhecendo o RS, autor: Luís Moraes Koteck,

 

Índice                 Lacuna 1